10 de novembro de 2008

╬ Existencialismo ╬

Existem coisas no mundo( que mundo? ), que poucos podem enxergar. A águia não percebe do alto; as melhores lentes do Hubble não captam; os satélites vêem ofuscação; o sol, escuridão... Coisas que o cão não cheira, nem o morcego escuta. Coisas que parecem fictíceas, mas isso não é fruto de uma imaginação fértil. As interrogações ganham asas, e as utilizam para fazerem gigantescos vôos. Tudo que podemos dizer com certeza, é que nada afirmamos com certeza. O ocultismo da mente, mente. Mas pode, talvez, ter franqueza. Ela é como os pássaros que voam no horizonte por sobre montanhas e vales, cujo o sol esquenta fornecendo-a o combustível necessário para não despencar no pesadelo.
O mundo que vc vive, realmente é um mundo dito: MUNDO? Ou apenas um mero mundo, que digamos, mundano? O mundo pode ser pequeno, se vc conseguir enxergar. O mundo pode ser grande se vc souber que ele está, mesmo que nunca tenha visto pessoalmente. Mas o mundo que vc enxerga e sabe que está lá, seu tamanho pode ser dito INCALCULÁVEL.Pois não deve ser visto com os olhos do corpo, nem vivido com sentimentos momentâneos e passageiros. Mergulhar de cabeça em ua psina sem água, pode nos causar medo, mas o medo só virá, se pensarmos que naquela psina não existe água. Porém, se mergulhar-mos numa psina sem água, com convicção de que lá existe água, poderemos até sair machucados, mas pelo menos, sairemos enxarcados devido a tanta água existente na psina.
A carne jamais conseguirá explicar o inexplicável. O inexplicãvel, nos causa curiosidade. A curiosidade, incerteza. A incerteza, ausência de fé... O aconchego que nós mesmos criamos, que realmente nós mesmos criamos, não nos suporta quando conhecemos a verdadeira sabedoria do inexplicável.
Incertezas nos guiam em nossa caminhada a campos extremamente férteis e cheios de vida, como combustível que não nos deixa estatizar até chegarmos onde, realmente, devemos chegar. O caminho mais fácil, nem sempre é o melhor. A caminhada retilínea, nem sempre é viável, as curvas no percurso e os movimentos retrógrados podem ajudar muito diante a diversas situações... e não esqueça: "faça da queda um passo de dança"!

David Silva 10/11/2008

Pages - Menu