14 de dezembro de 2011

nada a declarar.




Ele pulsava intensamente sem medo e  sem restrições..
E com o tempo ele foi mudando,mas apesar das constantes perfurações ele continuou vivo mesmo pulsando com menos intensidade , ele poderia ter resistido quanto tempo fosse possível ,mas hoje sem piedade eu o matei.
Sem mais nada a declarar.
                                                  (Samara Veras)

2 comentários:

samara veras disse...

conscientemnte.

Camyli Alessandra disse...

Então... não sei oque comentar o meu anda adormecido a meses. será que morreu?

Pages - Menu