30 de abril de 2012

Olhares sobre o amor.



O amor ele vem quando menos esperamos. Quando ele penetra nossa existência, engradece a nossa vida. Passamos a viver como se fosse dentro de um sonho. No relacionamento vem a fase do encanto, onde nos enamoramos pela criatura que mal conheciamos instantes atrás. São noites enluaradas, dias ensolarados, dialogos consistentes. Logo após o processo de "alteração do estado de consciência inicial" a relação começa a cair no estado de choque de realidade. Aquele beijo apaixonado e doce, começa a virar algo mais enfadonho; as dicas e o papo sobre sonhos e projetos que pareciam algo de grande valor começam a se perder no tempo. Você deve tá pensando que isso é pessimismo da minha parte, pois acertou. Porém existe uma lógica nisso.
Nos tempos saudosos dos nossos avôs, o relacionamento durava quase que eternamente, chamavam de amor, mas quais os motivos para um casal passar tanto tempo juntos? Hoje quem viveu essa época pode contar 30, 40 e alguns 50 anos dividindo o mesmo teto. Já os pais da nossa geração (eu tenho 32 anos), viveram a quebra de tabu, com a revolucionária pipula anticoncepcional, a lei que permitiu o desquite e depois veio a independência financeira da mulher. Logo se descobriu que os casamentos dos nossos avós duraram uma parte por heroísmo e renúncia, mas que a maioria foi por falta de oportunidade de fugir, já que a mulher erasubmissa ao marido e não podia partir quando desse na telha, afinal seria porta a aberta para ser explorada por um mundo ainda totalmente machista.
Com a liberação sexual vinda pelos beatnikes, movimento hippie, consagrada com Woodstock em 1968, com a quebra de tabus e o grande embate do movimento estudantil na França contra o sistema repressor do regime de De Gaulle, cunhou-se ai o slogan: "É proibido proibir". Jovens estavam cansados de regras que muitas vezes eram apenas a falsa aparência de uma sociedade comportada. O que pareciam lares felizes não passavam de aparência do falso moralismo do que acontecia no interior de cada lar, onde a violência contra a mulher tomava conta da realidade. 
Espera ai, não era para falar de amor? Sim, claro, mas não podiamos perder o senso do real, pois amor do conto de fadas de Rapunzel, Romeu e Julieta não é uma coisa que podemos nos basear para conceituar a vida de duas pessoas que querem compartilhar uma vida juntos. O amor de adolescente pode durar para sempre, existem alguns exemplos que provam isso, mas na maioria das vezes são experiências que apenas servem para nos colocar no mundo real, pois com a decepção do "primeiro amor" começamos a olhar as coisas com mais ceticismo e nos colocamos na situação com mais consciência do nosso papel. Como dizem: "se amar primeiro para depois ser amado".
Hoje com as grandes mudanças tecnológicas o que querem tanto homens como mulheres é a busca do crescimento profissional, cada vez mais as pessoas estão pensando em adiar o desejo de casamento para primeiro construir o patrimônio e só depois constuir a familia desejada,alguns preferem a solidão e se contentar com o amor dos amigos e dos parentes.

Carlos Emanuel



Um comentário:

samara veras disse...

Belo texto!

Pages - Menu