24 de julho de 2012

deixa eu passar ,por favor!

                       
                                      Com licença,momento,por favor deixa eu passar?!

Essa é a frase que mais uso todas as manhãs quando pego o ônibus de todos os dias, é uma luta só ,que começa desde apenas de subir ao ônibus ate  chegar ao meu lugar de destino.Não gente, a luta já  não é  mais por um assento,a luta agora é apenas para tentar pegar um cantinho dentro do coletivo ,mesmo que seja atrás da cadeira,pois o que vale mesmo e chegar sã e salva .
Assim,depois que você consegue subir ,existem outros fatores de sobrevivencia la dentro,primeiro é a falta de espaço,pois a guerra pra pegar uma cadeira é osso,segundo e a paciência e a tolerância que devemos ter em escutar além daquelas musicas do gosto do motorista(que nem sempre é agradável),ainda tem aqueles passageiros que ligam o som do seu aparelho celular pra todo muito ouvir(que na maioria das vezes toca swingueira) e terceiro é aquelas malas que muitas mulheres usam,porque bolsas não são(rs),elas são tao grande,pois quem se propõe a enfrentá-la e capaz de ficar no meio do corredor (ao chão) .Ainda por cima ainda tem o transito caótico da cidade que não colabora.
Um sobe ,o outro desce ,alguem grita de insatisfação,outro cala-se e o percurso continua como se nada tivesse acontecendo,lembro bem um dia que entrei no ônibus e três pessoas pisaram em cima do meu dedo mindim,quer dizer esmagalharam (rs) ,mas na terceira vez eu juro que não aguentei.Eu pensei,um e pouco,dois e bom ,mas trés e demais.
0 moço pisa no meu pé e disfarça o olhar como se não tivesse acontecendo,mas pior do que disfarçar era ele permanecer em cima do meu dedo mindim..
Eu-moço?moço?moço?(e a dor aumentando) 
Ele-....nem ai.
Eu-moço?moço?
Nesse momento eu gritei tão alto e disse:
-Moço,pelo amor de Deus ,você esta em cima do meu pé você pode sair de cima dele por favor?!(Eu estava no estagio de educação tão grande quanto a minha dor,não me pergunte o porquê)
Ele olhou pro meu pé,olhou pra minha cara e disse:
-Ah,seu pé,a me desculpe!
Nesse momento todos me olharam ,o motorista parou o ônibus e disse:
O que foi isso ai?
Alguém respondeu:
Nada não motorista ,vamo logo que então a patroa vai brigar!
A luta continuava,o moço permaneceu na dele,sem preocupação nenhuma ,assim logo o meu pé começou a doer,o sobe  e desce continuava sem parar e a minha insatisfação também.
Contei de um até três ,suspirei e engoli seco,quando chegou perto do meu destino puxei o sinal,e comecei a avançar em direção para descer do ônibus , logo vi aquela  multidão aglomerada na porta de saída , efiquei sem nenhum espaço para passar,então eu gritei:
-Deixa eu passar por favor!
Motorista vou descer ,espera vou descer!!!!!!!!!!!!!!
Nesse momento quando  estava quase  descendo ,alguém do fundão gritou,acelera  motorista a patroa já ta ligando,assim segui meu destino não só precisando apenas de um motivo para começar bem o meu dia,como também de um comprimido que aliviasse minha dor.

Beijo grande  e até a próxima.


Samara Veras


Um comentário:

Fique mais um segundo... disse...

Oi, Sam, bom dia!!
Eis a verdade tragicômica de milhões! Não um lugar para sentar - isso é privilégio de poucos! - mas ao menos um pouco de dignidade numa carroça de bois em que viajam alguns jumentos...
Não sei se há outro lugar onde desenvolvamos mais a resistência à dor ou a paciência.
Amei!
Bejo carinhoso
Doces sonhos
Lello

Pages - Menu