16 de janeiro de 2015

sobre mais de mim


Pensei bastante em escrever esse post, na verdade ele ficou matutando em minha cabeça há dias. Na verdade falar sobre coisas, ou sobre outras pessoas é bem mais fácil do que falar sobre a gente, não é mesmo?!

Lembrei hoje de um fato que aconteceu comigo há quatro anos atrás, sobre uma fase muito difícil que passei em minha vida, no fato de ter superado uma depressão, de ter vivenciado um relacionamento que se findou no mesmo período, e pelas mudanças que tive fazer juntamente com meu pai, do apê que a gente morava, emprego, e de vida.

E fico pensando na grandiosidade que Deus teve em cada detalhe em cuidar da minha vida, dos meus dias, e de onde ele tem me permitido a me colocar hoje. Para ser bem sincera, temos a tendência a reconhecer nosso valor quando estamos vivenciando fases difíceis, parece que temos a tendência a valorizar o melhor que temos quando estamos em dias de chuva. É bem verdade.

E sendo realista, poucos me conhecem, além de saber que sou uma menina poética, que ama livros, que gosta do sertão, e que gosta de escrever. Poucos. E esses dias tenho pensado nisso, em mim, no que represento para mim e para toda minha família.

Acredito que até aqui, nesses meus 25 anos, já mudei em minha vida um montão de coisa, como todos sabem, sou incrivelmente introspectiva, romântica, sincera, e que ainda acredito nas pessoas, no melhor delas.

E sobre mais de mim; sou bagunceira, adoro música popular brasileira, adoro pedalar, amo queijo com goiabada (rs), sou incrivelmente atraída por livros e por poesia. Assim também tenho muitas manias, uma delas é sobre dia e hora de comer algo, de escrever em tudo que vejo, de pôr os livros pela casa, de escutar a mesma música várias vezes.

Pensando nas experiências, desde os meus 17 anos, aprendi a me virar sozinha, de começar a trabalhar, de aprender a cozinhar, de viajar sozinha, e de até ter a experiência de morar sozinha quase 1 ano, que Deus me permitiu.

E diante de todas as minhas vivencias de vida, do que fui, do que sou, entendo o medo de muitas pessoas próximas a mim de ter medo de me perder, de saber que sou um passarinho que tem muitos sonhos, e que deseja voar longe.

Vejo gente como medo de eu ir embora, ou de simplesmente de me ver longe alguns meses fora do Brasil, e de bater o pé e de dizer, “não vai, você vai fazer falta, a gente não consegue ficar longe de você”, ou de ouvir pessoas desejando a minha companhia para tomar um simples café.

Quando paro e penso em todas as pessoas importantes que gostam da minha companhia, dos aprendizados, e experiências, tenho plena certeza que nasci para ser feliz e fazer outras pessoas felizes, e que tudo o que sou hoje, não provêm de mim, é obra de Deus.No mais, é excesso de amor.

Samara Veras

Nenhum comentário:

Pages - Menu