7 de março de 2015

sou poesia

Comecei a caminhar, hoje já não me importo com as minhas dúvidas mais intrigantes e (in) ternas, sempre quando venho aqui no blog me pergunto o porquê de está aqui escrevendo o meu mundo. Depois paro e penso: “ felizes daqueles que escrevem, mesmo que tenha um montão de coisas para fazer, e ainda insiste nessa arte”.

Não procuro compreender o incompreensível, o que a gente guarda por dentro é mais intenso e transbordante do que palavras bonitas que soa aos nossos ouvidos. Gente que é profunda de verdade escreve, por medo, por alegria, por raiva, por amor. Estou aqui por todos esses motivos citados, e muito mais.


Larguei meus medos mais internos para ser feliz, para escrever, para seu eu, como nunca fui igual. Se sou poeta eu não sei, só sei que escrevo, e isso me basta. A vida com todo esse embaraço é bonita, a gente é que muitas vezes não percebe, a gente carrega essa covardia sem tamanho a não conhecê-la, como devemos de fato.

A vida se encarrega disso, de nos surpreender, através dos nossos “eus”, que  revela realmente quem de fato a gente é. Hoje sou escrita, nua, sorridente e contida, as palavras falam por mim, letrinha por letrinha, e mesmo que eu desejasse outra forma, nada seria mais eu, do que poesia, muito amor, e lindos textos.


Samara Veras

Imagem :  pinterest

Um comentário:

Quintal de afetos disse...

Que lindo!

E que a palavra verta sempre assim, sem amarras e floresça poesia.

beijo n'alma,
Samara Bassi.

Pages - Menu